O escritor

09/24/2009

Não havia ideias para um texto
Não havia sequer uma unica linha a se completar
Aquele escritor que, anos antes, possuia tantas virtudes, tanto brilhantismo e criatividade
Simplesmente murchava e queimava como uma rosa em meio à um deserto
Não compreendia como as ideias simplesmente se esvaineciam de sua mente
Ilogico, imoral, incompreensivel
Postava-se em sua mesa, deitado na cadeira, contemplando o teto
Papel e pena ao alcance da mão
“Por quê? O que me ocorre? Onde estão minhas ideias?” indagava-se raivoso e, diriam alguns, em tom choroso
O que simplesmente este homem não percebia é que a falta de alegria, o afastamente para com a sociedade, a rejeição de seu amor próprio não o deixavam escrever
Seu interior amargara de tal forma que não havia mais o gambito de escrever, de buscar
Não havia desejo, nem mesmo sexual
Tornara-se naquilo que mais odiava:
Um velho!

Texto de minha autoria